fbpx
loader

Onda de ofertas deve continuar em 2021
Empresas levantam juntas R$ 117 bilhões em ofertas iniciais de ações na Bolsa brasileira; em 2007 foram 64 IPOs, que movimentaram R$ 55 bilhões.

Além do recorde de investidores, a B3 também registrou em 2020 o maior número de IPOs (ofertas iniciais de ações) desde 2007, mesmo em meio à uma grave crise sanitária e humanitária causada pela pandemia de coronavírus. E os primeiros indícios são de que o movimento continuará em 2021, segundo especialistas.

Foram 28 IPOs na Bolsa brasileira entre janeiro e dezembro deste ano, com captação total de R$ 117 bilhões. É o maior número de ofertas iniciais em 18 anos. Em 2007, a B3 teve 64 IPOs, que juntos levantaram R$ 55 bilhões. No ano passado, foram apenas cinco operações desse tipo no mercado brasileiro.

O maior IPO de 2020 foi o da Rede D’Or (RDOR3), que estreou na B3 no começo deste mês valendo mais de R$ 100 bilhões. A operação levantou R$ 11,4 bilhões. Foi o terceiro maior IPO já registrado na B3, atrás apenas da oferta inicial do Santander Brasil (SANB11) em 2009, de R$ 13,2 bilhões, e da oferta da BB Seguridade (BBSE3) em 2013, de R$ 11,475 bilhões.

O segundo maior IPO de 2020 na B3 foi realizado pelo Grupo Mateus (GMAT3), que levantou R$ 4,6 bilhões em outubro. A oferta inicial da Hidrovias do Brasil (HBSA3) completou o pódio, com R$ 3,4 bilhões em setembro — a Petz (PETZ3) ficou bem próxima, com um IPO de R$ 3,03 bilhões também em setembro.

O que explica o movimento?
De modo geral, o que explica o boom de IPOs na B3 este ano, segundo especialistas, é a queda histórica da taxa básica de juros, a Selic, para 2% ao ano, o que motivou a maior entrada de investidores na Bolsa e colaborou para tornar o mercado acionário mais atraente aos empresários que precisam se capitalizar.

“Foi uma porrada. A gente viu uma baita de uma janela, o mercado de capitais no Brasil se desenvolvendo, um fluxo grande, aumento de investidores pessoas físicas e, agora no final do ano, os estrangeiros voltando fortemente”, disse Rafael Bevilacqua, estrategista-chefe da Levante Ideias de Investimentos.

“Algumas coisas que são importantes: este ano começou muito bem e, mesmo com a pandemia, o fluxo, o movimento de IPOs foi muito forte. Isso se dá por um lado pelo desenvolvimento de capitais, entrada de novos investidores, juros baixos, mas a liquidez global como um todo foi bem positiva para esse fato”, completou.

“Todo mundo que queria colocar uma oferta, este ano conseguiu. Foram poucos casos em que ou a janela não estava muito boa, mas daria para ajustar, ou o valuation era muito fora. Mas a gente viu IPOs que não paravam muito em pé, não tinha o menor sentido, saírem. Tinha liquidez e demanda para praticamente tudo.”

Felipe Taylor, gestor de ações da MAG Investimentos, acredita que a forte valorização da Bolsa no fim do ano passado e no começo de 2020, bem como a retomada do Ibovespa ao longo deste ano depois do tombo em março por causa da pandemia, colaborou para chamar atenção dos empresários para a Bolsa.

“A boa performance que a Bolsa teve nos últimos anos permitiu que o patamar de preço dos ativos negociados em Bolsa atingisse níveis nos quais os empresários começam a ver maior vantagem em abrir seu capital, dada a perspectiva de ter suas empresas bem valoradas pelo mercado”, disse.

“Obviamente que a taxa de juros no nível mais baixo que a gente já teve também favorece esse investimento do investidor na Bolsa. Mesmo fundos que antes eram muito focados em renda fixa e câmbio passaram a alocar uma boa parte de seu portfólio para a Bolsa”, completou.

Ofertas bem-sucedidas
Sobre as ofertas mais bem-sucedidas em 2020, Bevilacqua e Taylor destacaram os IPOs da Rede D’or e da Petz. Taylor apontou ainda a operação da companhia de hospedagem de sites Locaweb como um destaque positivo no ano.

“São empresas que não só as ações pós-IPO tiveram desempenho positivo, mas também são empresas que, apesar de serem novas na Bolsa, acho que são histórias que despertam muito o interesse do investidor institucional e têm se mostrado maduras na comunicação com o mercado de capitais”, disse o gestor da MAG.

“A Rede D’or é um case de crescimento. Saiu caro quando a gente olha para múltiplo, entretanto é meio que um case apartado do mercado quando a gente fala de saúde. Ela pode subir preço, ela sobe muito o preço, repassa com praticamente zero de dificuldade porque ela tem uma marca muito forte e cresce há muito tempo. E até 2025 a gente vê que o número de leitos vai praticamente dobrar”, avaliou Bevilacqua.

O que esperar para 2021?
No geral, a avaliação para 2021 é de que o mercado de ofertas de ações continue extremamente aquecido. Empresas continuam registrando pedidos de abertura de capital na Comissão de Valores Mobiliários, a CVM. Na leva de dezembro, por exemplo, estão a Orizon, Guararapes Painéis, Jalles Machado, Oceanpact, Eletromidia, Mobly, Kalunga e Westwing.

“Novos recordes. Vai continuar havendo recursos disponíveis para comprar empresas novas em preços que façam sentido para os acionistas anteriores se desfazerem de uma parte ou se diluírem na ownership das empresas. A mesma dinâmica que a gente viu em 2020 deve permanecer para 2021, sendo que em 2020 a gente teve a pandemia”, disse Taylor, da MAG.

“2021 tem tudo para ser um ano ainda mais forte em ofertas de ações. A dúvida é se a nossa economia vai continuar produzindo empresas que sejam ‘investíveis’ no tamanho para fazer abertura de capital na velocidade que o mercado está disposto a comprar essas empresas”, completou.

O presidente da B3, Gilson Finkelsztain, também segue otimista. Em entrevista ao podcast “Os Pregões que Fizeram História”, do InfoMoney, ele disse que “a expectativa continua sendo bastante positiva para o mercado de capitais”, e que ainda tem bastante IPO por vir em 2021.

“As empresas estão iniciando seus ciclos de investimento depois de um ano difícil como foi 2020, quando a gente teve uma contração do PIB entre 4% e 5%. Então, o Brasil vai certamente voltar a crescer no ano de 2021. E fica obviamente a esperança de que a gente continue evoluindo na trajetória de sofisticação dos nossos mercados de capitais com a preservação do juro baixo”, afirmou.

Ele disse que não pode haver um “abandono” da inflação sob controle, da perseguição da meta de inflação pelo Banco Central e do controle fiscal com agenda de reformas que leve o Brasil ao crescimento. Finkelsztain citou a importância da preservação do teto de gastos.

“Em 2020, foi compreensível que o Brasil aprovasse um auxílio emergencial para os brasileiros que perderam renda. Infelizmente a gente não tem capacidade de manutenção desse auxílio por mais tempo, então a gente precisa usar mecanismos de fomento à economia e à retomada de crescimento, gerando emprego para que o país possa voltar a crescer”, disse.

“A melhor forma de fazer isso é definitivamente com controle fiscal e uma pauta que possibilite a retomada do investimento privado, com IPO, com privatizações. Sigo otimista e acho que 2021 pode ser novamente mais um ano de muitos recordes”, concluiu o presidente da B3.

A Visão Investimentos - Agente Autônomo de Investimentos Ltda está devidamente registrada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), na forma da Instrução Normativa nº497/11, e é credenciada junto à Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda., o que pode ser verificado no site da CVM (www.cvm.gov.br) ou no site da ANCORD (http://www.ancord.org.br) ou no site da Safra Corretora - www.safra.com.br/agentesautonomoscredenciados. A marca SAFRA INVEST é de propriedade e objeto de direitos exclusivos de empresas das Organizações Safra, das quais faz parte a Safra Corretora de Valores e Cambio Ltda. O Agente Autônomo é um intermediário e depende de ordem prévia do cliente para realizar operações no mercado financeiro e de capitais. Esta mensagem tem conteúdo meramente informativo. As informações ora prestadas são de caráter geral e exemplificativo, estando sujeitas a alterações, condições adicionais e negociação específica para cada investimento realizado, não se configurando ou devendo ser entendida como oferta pública ou privada, relatório de análise ou consultoria de valores mobiliários tais como definidos na legislação e regulamentação em vigor. As informações expressas neste documento foram obtidas de fontes públicas consideradas seguras, porém não é garantida a sua precisão ou completude, não devendo ser consideradas como tal. Investimentos em títulos e valores mobiliários envolvem riscos. A decisão pelo tipo e perfil de investimento é de responsabilidade exclusiva do cliente, razão pela qual se recomenda fortemente que o investidor faça uma avaliação independente sobre as operações pretendidas, riscos, condições e tributação aplicável. Quaisquer referências e rentabilidades passadas não significam de qualquer forma a garantia ou previsibilidade de rentabilidades futuras. O Grupo Safra não será responsável por perdas diretas, indiretas ou lucros cessantes decorrentes da utilização deste material para quaisquer finalidades. A presente publicação e todos seus elementos literais e gráficos constituem uma obra autoral protegida, estando os diretos sobre a mesma reservados.